Monthly Archives: Julho 2012

Como devemos fazer mover o mundo?

Certas pessoas falam de que as agências de rating nos controlam como se fossemos marionetas. Não sei se isto é verdade, mas que tipo de alternativas existem, e qual o papel das agências de rating no mercado mundial?

Anúncios

O porquê da celeuma acerca dos clubes

Descobri a razão porque os presidentes dos clubes alimentam ódios entre os adeptos: para adquirir maior audiência.

Para que existe a Protecção Civil

Portugal nos últimos dias tem sofrido a deflagração de vários fogos, e assiste-se por parte da protecção civil, uma incompetência preocupante. Falta de organização acusam os entendidos nesta matéria. E eu pergunto, o que faz a organização da Protecção Civil nos tempos em que não há fogos? Mais parece que andam a coçá-los.

Facto e Relações Políticas

O sindicato dos professores queixa-se que o Governo faz de propósito para não contratar professores. Contudo, Mário Nogueira certamente saberá que o número de professores por aluno tem vindo a diminuir desde 1980, passando de 15 para 7,2. Porque é que ele mente?

Talvez pela falta de fidelidade no discurso político, que aparece sobremaneira enviesando a realidade. E talvez porque quem não fizer assim, morre politicamente.

Aprendi com o Blasfémias hoje

Que um jornal revela a sua ideologia, não sobre o que publica, mas pelo que omite. E que o aumento do salário dos funcionários públicos em 2009 é inconstitucional, porque os privados não benificiaram desse aumento.

Música Portuguesa e economia

Ando por estes dias a concluir que gosto cada vez mais de música portuguesa. Não me estou a referir a um estilo de música tradicional, mas à nova música que é apresentado a um mercado jovem, e às vezes alternativo. Dentro dessa música consumo aquela que passa na Antena3, com vários nomes que são bastante divertidos. O único mal disto tudo, é que apenas esta rádio defende os músicos portugueses. É pena pois assim, existe pouco incentivo para que se aposte na música portuguesa, e a economia cultural seja muito pequena. O mesmo caso aplica-se ao cinema português.

E hoje mais do que nunca precisamos de combater o desemprego, razão pela qual temos de nos virar para nós próprios. E assim quero dizer que o produto português deve apostar na qualidade, e que falando por mim, não comprarei produtos portugueses se forem mais caros do que os estrangeiros.

A nossa economia deve-se concentrar em criar condições para que os produtos feitos em Portugal sejam mais competitivos do que os estrangeiros, sem que ponha em risco com as normas da UE; para que toda a gente possa usurfruir disso.